quarta-feira, 19 de março de 2008

Uma questão de dinheiro

Paulo Futre, o astro do futebol, estava descontente com a sua situação no Atlético de Madrid. Quando no início de 1993, Sousa Cintra, na altura presidente do Sporting, seu clube do coração, convidou-o para almoçar, o regresso ao futebol português parecia sorrir-lhe. Contudo, nem tudo foram rosas e, para além do pouco sucesso desportivo, levou também à ruína financeira do Benfica…

Sousa Cintra foi buscar o jogador ao Hotel, tendo habilmente avisado os jornalistas do encontro. A caminho do restaurante, Paulo Futre declara que “Saí do Sporting por dinheiro, regressarei com o coração.”. Passado pouco tempo, surge o Benfica em cena. Em apenas dois dias, o seu presidente Jorge de Brito adianta o dinheiro ao Atlético de Madrid, e um ordenado de 30 000 contos a Futre. Para o jogador, tratou-se apenas de uma negociação ganha pelos encarnados, e que sentia pena de não voltar a Alvalade. Sousa Cintra ficou fulo com o sucedido e prometeu vingança, vindo nesse final de época a roubar duas pérolas do Benfica no Verão Quente. Quanto ao Benfica, endividou-se em 600 000 contos, os necessários para convencer o Atlético, através de um adiantamento da venda das transmissões televisivas à RTP e da publicidade estática, no que era visto como um grande negócio para ambas as partes. Contudo, tal não foi a impressão do Primeiro-Ministro Cavaco Silva, que destituiu o Conselho de Administração da RTP, presidida por Monteiro de Lemos que fora Presidente do Conselho Fiscal do Benfica…

Marques Mendes, na altura Ministro-adjunto do Primeiro-Ministro, declarou que “O dinheiro não é tudo, as audiências não justificam tudo, a concorrência não é justificação para tudo.”. Apesar de tudo, Futre viria mesmo a jogar pelo Benfica, marcando um golo decisivo ao Sporting que afastou definitivamente os leões do título, e brilhou no final da Taça de Portugal ganha ao Boavista. Contudo, o Campeonato principal escapava-se para o Porto. Se por si só, a contratação de Futre não arruinou completamente os cofres do clube da Luz (que já apresentavam um passivo de 4 500 000 contos), a perda de Paulo Sousa, numa vingança do Sporting, fez voar uma receita esperada de 1 000 000 da venda do médio para Itália…

Se isto fosse verdade…

2 comentários:

João Pedro Calote Santos disse...

Epá, o Futre parece mesmo aquelas gajas:

- Ai... Eu gosto de ti do fundo do coração. nem me importo que me batas. E o teres casa, carrão e muito mas mesmo muito dinheiro é irrelevante...

Há mesmo muita gente por aí a vender-se... Porta-te, gostei do post!!!

Nuno Fonseca disse...

Essa foi uma época de êxodo e vazamento do tesouro nacional do Benfica, e uma espécie de descolonização PREC-ária da Luz.

Propes, Dux.