sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Futebol - Novembro de 1990

Novembro de 1990. Tudo aconteceu num Penafiel-Belenenses envolvendo o árbitro Francisco Silva, mas nos registos está escrito que quem apitou foi Fortunato Azevedo. Rebentou o escândalo do Penafielgate, em que tudo sucedeu nos balneários antes do jogo com um cheque de 2000 contos e que teve pesadas consequências para Francisco Silva.

Uma combinação entre Manuel Rocha (presidente do Penafiel), Lourenço Pinto (presidente do Conselho de Arbitragem) e o árbitro Francisco Silva resultou num cheque passado no valor de 2000 contos. Mais tarde, através de uma gravação telefónica entre os intervenientes, ficou-se a saber que eram 1500 contos relativos ao jogo com o Belenenses e os restantes 500 contos relativos aos jogos de outros clubes apitados por esse árbitro e onde o Penafiel tinha interesses. Contudo, nos balneários de Penafiel, após receber o cheque, Francisco Silva escusou-se apitar dizendo que estava doente. “Ó Chico, eu bem te avisei... ó Chico, o que tu foste fazer!” clamava Lourenço Pinto em conversa telefónica com o árbitro. Com o cheque e as escutas telefónicas como prova, os três intervenientes iriam sofrer a pesada mão da justiça.

E resultou na irradiação de Francisco Silva do futebol! Estavam à espera de mais? Só em Portugal é que o corrompido é castigado, mas nunca o corruptor: Manuel Rocha “retirou-se” do clube e Lourenço Pinto passou a pasta do Conselho de Arbitragem. E, já agora, este Lourenço Pinto que participou no suborno do árbitro, é o mesmo que é advogado do Pinto da Costa no caso Apito Dourado! Curioso…


Se isto fosse verdade…


2 comentários:

Nuno Fonseca disse...

Don Corleone, John Gotti, tirem apontamentos no inferno.

Rui disse...

Outro grande post Dux. Muito bem. Uma sugestao seria a historia da corrupcao do Famalicao ao presidente do Macedo de Cavaleiros e do envolvimento do Fafe no assunto. Data do inicio dos anos 90. Se isso fosse verdade...